Í NDIOS: CARA OU COROA?

Um dos brasileiros que teve maior poder em suas mãos foi Castelo Branco. O marechal era, fisicamente, autêntico potiguar: tribo nordestina que se expandiu muito após a chegada dos portugueses. O brasileiro Cândido Rondon, de reputação internacional ilibada “Morrer se preciso for; matar, nunca”, nasceu em Mato Grosso e foi o primeiro diretor do Serviço de Proteção aos Índios. Sua fisionomia lembrava índios do Brasil Central.
Quase todos os capixabas descendentes de europeus e africanos, tem algum sangue Tupi ou Tapuia. O Dicionário Estatístico de César Augusto Marques (1878) mostra nosso Estado já miscigenado. O número de pardos e caboclos supera em todas as cidades e vilas, o de brancos e pretos. A primeira leva de imigrantes que aqui chegou, em quatro caravelas, foi de temiminós, assentados na Serra. Isso aconteceu enquanto no Concílio de Trento (1545-1563) se discutia se o índio tinha alma.
A maior “batalha” ocorrida entre índios e colonizadores, no Espírito Santo, foi no Cricaré (1558). Após a queda das duas primeiras paliçadas, NOVE homens liderados por Fernão de Sá, investiram contra a terceira, sendo mortos.
O primeiro Donatário desta Capitania chegou em 1535, com 60 companheiros. Tocou a campainha (tiros de canhão) e tomou posse desta terra quase desabitada. A capital foi transferida para a ilha de Vitória devido à água, solo e principalmente para a defenderem dos piratas europeus. Todos os fortes foram construídos voltados para o mar.
Nossa história rica em cores e amores é muito diferente da norte americana. Lá, no séc.XIX, reelegeram presidente “Faca Longa” ou Andrew Jackson (1829-1837) que desrespeitou a Corte Suprema, eliminando índios para favorecer colonos. O civilizado procedeu como selvagem. Os iroqueses encontrados em Nova York, quando Colombo chegou, ocupavam a área há 100 anos. Originários do oeste do Mississippi, só desalojaram as tribos vencidas (1651) que se recusaram a participar da confederação iroquesa, com direitos iguais. O selvagem procedeu como civilizado.
A espécie homo sapiens sapiens, ao encontrar a homo sapiens (neandertal) parece tê-la eliminado sem que houvesse intercurso sexual. O mesmo investiga-se com relação aos índios quando chegaram à América, há 10 mil anos, e encontraram povos primitivos que circulavam aqui, há mais de 20 mil anos.
Mandar homens à lua é questão objetiva, basta o capital. Promover integração racial ou religiosa é questão de educação, portanto, mudança de comportamento, problema de foro íntimo. Muito mais difícil. O fracasso americano, nessa área, determinou a criação das reservas indígenas.
Quem visita uma dessas reservas observa índios chegando em carros, trocando a calça jeans e a camisa xadrez por roupas indígenas. Com marcada expressão do segregado procuram faturar dólares dos turistas (artesanato, cassino) e afogar mágoas. Entre esses, embriagues, tristeza (banzo) e suicídio, são freqüentes.
A dificílima vida na mata fez nossos antepassados, australopitecos, deixarem a floresta há 3 milhões de anos. Índio em reserva, pelo menos no Brasil (onde se vai do sertão à presidência) só atende ao interesse de alguns antropólogos que precisam de cobaias humanas, políticos mal intencionados, agentes entreguistas, ou a “chefes, caciques, morubixabas, tuxauas” que se fazem permanentes para demarcar feudos, apostando na segregação e na coroa.
Kleber Galvêas – pintor Tel. 3244 7115 [email protected] www.galveas.com 2/06